O Bairro de São Miguel Paulista

Conheça um pouco sobre o Bairro de São Miguel Paulista

São Miguel Paulista é um distrito da região leste da Cidade de São Paulo

Teve como núcleo inicial a chamada Capela dos Índios, uma igreja construída no século XVI para o aldeamento de indígenas da região, a capela está localizada na Praça Padre Aleixo Monteiro Mafra, também conhecida como Praça do Forró. Ela é a única construção na cidade de São Paulo que, depois da reforma que sofreu no século XVII, conserva-se totalmente original, com paredes em taipa de pilão.

Foi durante muitos anos chamado distrito da Penha de França, ganhando autonomia administrativa no fim do período imperial. Fez parte da constituição do bairro, a existência da estrada que ligava o Rio de Janeiro a São Paulo e que passava por dentro da antiga Aldeia de São Miguel. Hoje a estrada transformou-se nas Avenidas Marechal Tito e São Miguel.

Servido pela linha 12 da CPTM que foi inaugurada na década de 1930 e pelo Terminal São Miguel, o distrito permaneceu estagnado durante mais de um século. Hoje, tornou-se um importante centro comercial e populacional regional e abriga ainda uma universidade. É uma das regiões mais populosas da cidade.

Teve como um dos principais fatores de desenvolvimento, as atividades da Companhia NitroQuímica Brasileira, do Grupo Votorantim, desde 1932, que gerou uma grande migração para São Miguel, principalmente de nordestinos. A indústria foi uma resposta do empresário José Ermírio de Moraes à liderança das Indústrias Matarazzo na produção do raion, a seda sintética. Hoje a indústria trabalha com outros produtos, ainda na área química.

São Miguel conta com uma rede de serviços públicos e privados considerável, com escolas, hospitais, comércio e indústrias variadas.

História

É muito difícil precisar quando se inicia o povoamento da região, contudo estabelece-se 25 de janeiro de 1554, quando o Padre José de Anchieta chega nas terras de Piratininga e funda a aldeia de São Paulo de Piratininga.

Conta a história que, após desentendimentos entre tribos indígenas, houve a dispersão dos mesmos, formando novas aldeias, entre elas, a aldeia de Ururaí, cujas terras foram doadas aos índios, através da "carta de sesmaria", datada de 12 de outubro de 1580. Nesta aldeia, foi construída uma capela pelos jesuítas e índios, a qual recebeu o nome de Capela de São Miguel Arcanjo.

 

Com a chegada dos brancos e a colonização, São Miguel Paulista, ou aldeia de Ururaí como era chamada, tem sua data oficial de fundação no dia 21 de setembro de 1622. A Carta de Sesmaria passou a ser desrespeitada, abrindo espaços para a lavoura o crescimento local. Em 26 de abril de 1865 foram criadas duas classes do ensino das primeiras letras (curso primário). Uma para os meninos e outra para as meninas. Em 16 de junho de 1891, criou-se o primeiro ofício do registro civil (cartório de paz) e em 1892. São Miguel crescia e em 1903, já contava com 108 casas e 2 299 habitantes.

A principal atividade era a indústria da cerâmica. A partir de 1913, o bairro passou a evoluir também comercialmente. O primeiro comerciante do bairro foi Manuel Ferreira Guimarães. Em 1920, o corretor sr. Geni coloca em seu loteamento (atual Parque Paulistano no distrito de Jardim Helena), um ônibus com três viagens diárias, facilitando o acesso para os compradores de seus terrenos. Neste mesmo ano, começaram a se dirigir para São Paulo grande número de nordestinos, principalmente baianos e pernambucanos, que se instalaram especialmente em São Miguel Paulista.

Em 1950, foram fundados a Maçonaria, o Rotary e o Lions Club. Seus fundadores e principais associados são ainda hoje comerciantes estabelecidos na região. O primeiro ginásio noturno estadual, inaugurou-se em 1953 no Carlos Gomes, já instalado como Grupo Escolar desde 1938.

A primeira estrada do bairro, São Paulo-Jacareí, foi construída precariamente em 1924, devido a uma falta de recursos. Em 1930, inaugurou-se a linha de ônibus Penha-São Miguel, da Empresa Auto Ônibus Penha São Miguel. Em 1932, quatro anos após a inauguração da estrada de ferro Central do Brasil, foi inaugurada a linha variante e no mesmo ano a estação de São Miguel. A fase industrial iniciou-se em 1935, quando o Sr. Antônio Fuga e seus filhos deram início à construção da Companhia Nitro Química Brasileira.

A primeira estrada de concreto do Brasil surgia em São Miguel, no ano de 1939, assim como a energia elétrica e a inauguração da Companhia NitroQuímica Brasileira. Em 1941, é instalada em Ermelino Matarazzo, a Celosul, fábrica de papel de propriedade do Grupo Matarazzo. Nessa época, Ermelino Matarazzo fazia parte de São Miguel. A Companhia NitroQuímica cresceu rapidamente e em 1948 já empregava quatro mil operários. São Miguel começava a expandir em direção à cidade.

Atualmente, a área territorial do distrito representa a porção remanescente da sesmaria concedida em 1580 aos índios cristãos de Ururaí. Itaquera e Lajeado (atual Guaianases), desmembraram-se de São Miguel, constituindo distritos autônomos, criados respectivamente em 1920 e 1929. Em 1959, desmembrou-se Ermelino Matarazzo, reservando-se a São Miguel a área mais ligada à capela.

A denominação do distrito sofreu sucessivas alterações. A mais antiga referência nominal à região é Ururaí. Com a formação da aldeia cristã, surgiu São Miguel de Ururaí. Em 1944, esta denominação foi substituída por Baquirivu, mas em 1948, após protesto dos moradores, reapareceu com o nome de São Miguel Paulista. A partir de então houve uma rápida ascensão do bairro, gerando diversos problemas, uma vez que os novos moradores, mão-de-obra desqualificada, distribuíram-se pelos mais distantes locais onde houvesse possibilidade de aproveitamento, criando dificuldades para o transporte urbano até o centro da cidade. Com o grande fluxo de novos moradores de baixa renda, construindo suas moradias em lotes apertados e sem infra-estrutura, passaram a viver de forma precária.

Por volta de 1950, quase tudo estava para reformar ou refazer no bairro. Foi quando os problemas locais sensibilizaram a administração pública. O Governo do Estado ativou o setor educacional, multiplicando as escolas primárias e estabelecimentos de ensino secundário. A descentralização administrativa muito ajudou na solução dos problemas sociais e urbanísticos de São Miguel Paulista, passando a levar à região os melhoramentos tão esperados, que vão desde a reforma de nomenclatura de vias públicas até a integração do bairro no grande sistema viário da capital, entre vários outros benefícios à população.

Em 1956, a antiga Companhia Telefônica Brasileira (CTB) iniciou a operação de 200 telefones manuais. Estes foram substituídos em 1970 por 600 terminais automáticos, além de vinte telefones públicos, ligados à nova central telefônica que operava com o milhar '0' do prefixo 297. Alguns 'cortes de área' ocorreram a partir de 1980, com a criação de novos centros telefônicos no Itaim Paulista e no Jardim Helena. Atualmente, a central telefônica de São Miguel opera aproximadamente cem mil terminais.

Companhia Nitro Química Brasileira

Outra referência na região é a fábrica da Companhia Nitro Química Brasileira, a primeira do mercado nacional de Nitrocelulose, seu principal produto. Implantada em 1935 na avenida Dr. José Artur Nova, a Nitro Química teve papel de destaque no desenvolvimento de São Miguel. Em 70 anos, empregou milhares de trabalhadores e, juntamente com as olarias e fábricas de cerâmicas, contribuiu para o crescimento do bairro na primeira metade do século XX, atraindo centenas de pessoas à procura de emprego. A Nitro é ainda um dos estabelecimentos de São Miguel que mais oferecem vagas de trabalho: com 401 funcionários, é responsável por quase 18% dos postos da indústria local.

Ao longo de sua história, a companhia também investiu em equipamentos sociais e de lazer voltados aos funcionários e à comunidade. Primeiro foi a Vila Operária, depois o Clube de Regatas (1939), a escola técnica em parceria com o Senai (1943) e o Berçário (1944). 

De aldeia à região

De pequena aldeia ao redor da Capela, 380 anos depois São Miguel é mais do que um bairro: é uma das 31 regiões político-administrativas da cidade. Dividida em três distritos - São Miguel, Jardim Helena e Vila Jacuí - possui 24,3 km² de território e quase 400 mil habitantes.

O Jardim Helena é o distrito com maior índice de exclusão social e com menos equipamentos públicos de saúde e educação. Já o distrito de Vila Jacuí abriga a sede da Subprefeitura e a nova Casa de Cultura entre outras unidades da prefeitura.

O Conjunto Habitacional Garagem é outro ponto muito conhecido na Vila Jacuí. Iniciado em 1996 no terreno ao lado da garagem da Viação Penha - São Miguel, o empreendimento atendeu principalmente a moradores oriundos de áreas de risco. Atualmente, conta com cerca de 10 mil habitantes e possui uma rede de serviços públicos, com escolas, unidade básica de saúde, centro de convivência, telecentro e centro desportivo.

Centro: comércio, transporte e serviços

O distrito de São Miguel abriga o Hospital Municipal Tide Setúbal, o Hospital Dia Saúde Mental, dois dos cinco telecentros da região e o Centro de Referência da Criança e do Adolescente, para acolher crianças e adolescentes em situações de risco ou de rua.

O centro de São Miguel, nos arredores da Praça do Forró, é atualmente um importante pólo comercial e residencial, com quatro avenidas principais: Nordestina, São Miguel, Pires do Rio e Marechal Tito.

A Estação de Trem, utilizada pela linha F da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) desde 1994, também está nessa área.

No entroncamento da Marechal Tito com a Nordestina, o Restaurante Piassi é parada obrigatória para moradores. Pedro Piassi Filho, de 74 anos que mantém nas paredes fotografias antigas do bairro que ajudam a preservar um pouco da história local. Uma delas traz Pelé e outros jogadores santistas na inauguração das arquibancadas do Estádio da Nitro Química, em 1957. A descontração e a amizade são ingredientes principais do restaurante, instalado no mesmo local há 50 anos e até hoje ponto de encontro dos moradores do bairro.

O negócio dos Piassi está entre os 123 estabelecimentos da região que têm entre 20 e 99 empregados. A maioria dos negócios (1.346) emprega bem menos: até quatro pessoas. 

Uma radiografia de São Miguel em números

  • Área territorial: 24,3 km²
  • Distritos: Jd. Helena, São Miguel, Vila Jacuí
  • População total: 378.438
  • Quantidade de estabelecimentos econômicos: 1.983 (50,88% no comércio, 31,67% em serviços, 13,16% na indústria e 4,24% na construção civil) Escolas da Prefeitura: 26 CEIs, 18 EMEIs, 20 EMEFs e 1 CEU
  • Taxa de analfabetismo: 7,34% dos habitantes
  • Unidades Saúde/ Prefeitura: 16 unidades (entre UBSs e Ambulatórios de Especialidades), 1 Hospital e 30 equipes PSF
  • Rendimento Médio dos chefes de família: R$ 607,61
  • Número de Favelas: 43

FONTES:
Site da Prefeitura da Cidade de São Paulo - www.capital.sp.gov.br>
Site Wikipedia - www.wikipedia.org

Igreja Assembléia de Deus - Ministério de São Miguel Paulista. Todos os direitos reservados.